5 de março de 2018  08:25   /      Jocerlan Aquino

Maia traça roteiro para disputar Planalto

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pretende iniciar viagens pelo país na próxima semana para tentar viabilizar sua pré-candidatura ao Planalto.

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já começa a traçar o plano para o Planalto
    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que já começa a traçar o plano para o Planalto - Adriano Machado 19.fev.2018/Reuters

    O deputado vai participar das filiações dos parlamentares recém-chegados ao seu partido e deve, por exemplo, visitar Catolé do Rocha (PB), cidade natal da família de seu pai, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia (DEM).

    Maia será lançado pré-candidato à sucessão de Michel Temer na convenção nacional do DEM, nesta quinta (8).

    O movimento busca tirá-lo do 1% de intenção de voto até maio, prazo estabelecido por aliados para Maia alcançar 7% nas pesquisas.

    Caso não decole até lá, o deputado deve tentar a reeleição atrás de resultado mais expressivo do que os 53.167 votos que teve em 2014.

    Maia diz a aliados que só vai para o enfrentamento presidencial se sentir que tem condições reais de competir. Na hipótese contrária, manterá o desejo de se reeleger presidente da Câmara em 2019.

    O DEM vai providenciar avião para que ele viaje sem usar as aeronaves da FAB a que tem direito na presidência da Casa. Pela estratégia de se viabilizar passa a participação em eventos como a festa do Dia do Trabalho.

    PAUTA POPULAR

    Na Câmara, o deputado foi aconselhado a investir em uma pauta mais popular. Além dos projetos de segurança e economia, pediu que aliados garimpassem propostas na área social.

    Maia reuniu no fim de semana apoiadores para fechar o discurso que fará na convenção, na qual o partido pretende mostrar que se reposicionou, saindo da direita para o centro, tentando aliar o discurso de eficiência e enxugamento do Estado ao de maior foco em questões sociais.

    Essa área é uma das que compõem o tripé que vai sustentar o discurso dele no evento, junto com o combate à violência e a pauta de recuperação da economia e geração de empregos.

    A agenda social está sendo pensada por Marcelo Garcia, ex-secretário de Cesar Maia na área e coordenador do programa de governo de Rodrigo em 2012, quando ele disputou a prefeitura da capital fluminense.

    “Existe um deserto conceitual no DEM e no PSDB sobre a questão social no Brasil. Rodrigo quer sair deste deserto”, diz Garcia, que escreve artigos críticos ao governo Temer.

    É dele uma das propostas que Maia pretende apresentar na quinta, o seguro social familiar. A proposta unifica o Bolsa Família e um conjunto de pequenos programas dispersos em diversas pastas.

    A ideia é remunerar beneficiados pelo Bolsa Família pela mobilidade social e educacional.

    “São o esforço e a mobilidade social da família que vão agregar valores ao seguro, e não um movimento ineficiente de aumentar a transferência de renda sem agregar mobilidade que vai garantir, a médio prazo, inclusão social sustentável”, diz Garcia.

    A pauta do pré-candidato dará destaque à agenda educacional. Desde o início do governo Temer, o Ministério da Educação está sob comando do DEM.

    Maia convidou para a convenção presidentes e lideranças de diversos partidos. Quer mostrar força ao projeto, que hoje conta ao menos com a simpatia do Solidariedade, da cúpula do PP e de partidos como PRB, PHS e PSC —este último estuda a candidatura de Paulo Rabello, presidente do BNDES.

    Para vice, o deputado tem conversado com o ex-ministro Aldo Rebelo (PSB). Os dois se tornaram amigos em 2005, quando Maia era líder do DEM e Aldo, presidente da Câmara.

    Como o PSB não deve apoiar o DEM, Aldo negocia sua saída do partido e pode ingressar no Solidariedade.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Autentificado como . Sair desta conta »

...

publicidade

// Cole o código do Google Analytics aqui